Forum para a Governação Integrada

Cerca de 800 pessoas participaram no debate sobre CPCJ enquanto modelo de Governação Integrada

O Encontro Nacional “Comissões de Proteção de Crianças e Jovens: Um Modelo de Governação Integrada” reuniu cerca de 800 participantes, académicos e convidados, na Fundação Calouste Gulbenkian.

Na sessão de abertura contámos com a presença da Dra. Anabela Salgueiro, membro da equipa do Programa de Desenvolvimento Humano da Fundação Calouste Gulbenkian, que deu as boas vindas a todos os presentes e nomeou as Comissões de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) como exemplos claros de governação integrada.

cpcj1

O Secretário Executivo do Fórum para a Governação Integrada, Dr. Rui Marques, durante a abertura dos trabalhos lembrou-nos que a governação integrada representa sempre um desafio aos modelos tradicionais de governação. Através deste tipo de governação, procuram-se soluções em colaboração para problemas complexos.

O Presidente da Comissão Nacional de Proteção das Crianças e Jovens em Risco, Dr. Armando Leandro foi peremptório ao afirmar que o presente dia seria de celebração, partilha e difusão de conhecimento, mas também seria um dia de desafio para continuar a atuar, sem deixar de ter em conta o caminho já trilhado.

cpcj2

O Dr. Laborinho Lúcio, na sua apresentação intitulada “Criança Sujeito de Direito e Comissões de Promoção e Proteção”, referiu que o conceito criança e infância, tal como conhecemos, resulta de uma construção histórica relativamente recente. E deixou vários alertas sobre a necessidade de defender a dignidade das crianças. Afirmou ainda que, para além do direito da criança à provisão e proteção, é necessário dar à criança o direito de participação na vida quotidiana em que ela está envolvida.

Após uma introdução desafiante e clarificadora de conceitos importantes, os oradores do painel intitulado “Governação Integrada para Prevenir” subiram ao palco e contaram com a moderação da Dr.ª Margarida Pinto Correia (Fundação EDP). A Professora Maria Manuela Calheiros (ISCTE) apresentou um ponto de vista académico sobre a intervenção precoce para evitar o risco e as consequências dos maus-tratos e negligência para o desenvolvimento da criança. O Dr. Rui Guimarães (ARS Norte) conduziu a audiência numa apresentação sobre a prevenção de comportamentos aditivos e de dependência. A Dr.ª Ana Paula Neves (CPCJ Tábua) apresentou, através do seu discurso apaixonado, a CPCJ de Tábua e respetiva equipa, descrevendo o balanço na implementação do programa “Tecer a Prevenção”.

                                                                                                                                                                                             CONTINUAÇÃO

Membros